Arquivo

Arquivo da Categoria ‘Geral’

[Off Topic] Mario Bros. no 14º Festival do Japão

17 de julho de 2011

Hoje estive no 14º Festival do Japão que aconteceu no Centro de Exposições Imigrantes.

Encontrei o Mario e o Luigi no estande da Nintendo.

Mario, Patricia, Eu, Akira e Luigi

Mario, Patricia, Eu, Akira e Luigi

 

O Donkey Kong também apareceu por lá.

Mario, Patricia, Eu, Akira e Luigi

Mario, Donkey Kong e Luigi

Geral , , , ,

Como usar um logo no seu blog e manter a relevância do H1

7 de junho de 2011

As tags de cabeçalho H1, H2, H3, H4, H5 e H6 são utilizadas para marcar pontos de destaque no texto da página. Essas tags, quando utilizadas corretamente, estruturam o texto de uma forma hierárquica, de maneira que haja sub-níveis no contexto da página.

As tags de cabeçalho possuem um grau de importância no raqueamento nos mecanismos de busca, onde a tag H1 possui o maior peso, H2 um peso menor e assim por diante até a tag H6.

Em geral, utilizamos a tag H1 para destacarmos o título de blogs e/ou sites. Por exemplo, nesse blog:

<div id="header">
  <div id="caption">
    <h1 id="title"><a href="http://prodis.net.br/" title="Prodis a.k.a. Fernando Hamasaki de Amorim">Prodis a.k.a. Fernando Hamasaki de Amorim</a></h1>
  </div>
  ...

Mas e se eu quiser utilizar uma imagem no nome do meu blog ao invés de um texto HTML? Vou perder a relevância do H1 nos mecanismos de busca?

Uma alternativa, que na verdade eu “chupinhei” do código-fonte do blog do Héric Tilly, é utilizar tanto a tag H1 como a imagem de logo.

<div id="header">
  <div id="caption">
    <h1>Prodis a.k.a. Fernando Hamasaki de Amorim</h1>
    <a href="http://prodis.net.br/" title="Prodis a.k.a. Fernando Hamasaki de Amorim"><img src="http://prodis.net.br/images/logo.png" alt="Prodis a.k.a. Fernando Hamasaki de Amorim"></a></h1>
  </div>
  ...

Para o texto dentro das tags H1 não ser exibido, escondemos via CSS:

#caption h1 {
  display: none;
}

Agora você tem uma imagem para o nome do seu blog e continua com a relevância do H1 para os mecanismos de busca.

Geral , , , ,

“Warning: Cannot modify header information…” no WordPress

28 de março de 2011

Rodando localmente o WordPress 3.1 de um novo projeto no meu MacBook, estava modificando o layout do tema que estou utilizando e adicionando outras funcionalidades. De repente, começou a aparecer, principalmente na interface de administração, a seguinte mensagem de erro:

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /Users/Prodis/TimeDev/pontoa/public_html/wp-content/themes/pontoa/includes/widgets/my-post-cycle-widget.php:93) in /Users/Prodis/TimeDev/pontoa/public_html/wp-includes/pluggable.php on line 897

É um alerta do PHP, mas digo erro, pois dependendo da página a mesma não carregava e em muitas outras, que utilizam AJAX, a mensagem aparecia em algum lugar da página e não terminava de renderizar.

Entre os arquivos que alterei, fazia parte o arquivo my-post-cycle-widget.php, que contém o código de um dos widgets que vieram com o tema. Então abri o arquivo para ver o que tinha na linha 93 e para surpresa minha o arquivo somente tinha 92 linhas.

Widgets do WordPress são basicamente uma classe que herda da classe WP_Widget e implementa algumas funções como widget, update e form, para adicionar seu comportamento. Sendo assim, todo o arquivo de um widget é envolvido pelas tags <?php   ?>.

Foi aí que eu notei que na última linha do arquivo my-post-cycle-widget.php havia uma linha vazia logo após o fechamento da tag do PHP. Removi essa linha vazia (a linha 92) e tudo voltou ao normal.

O erro aconteceu porque a função wp_redirect, que se encontra no arquivo pluggable.php, altera o cabeçalho HTTP exatamente assim:

header("Location: $location", true, $status);

Se algum conteúdo HTML for enviado antes de tentar modificar o cabeçalho HTTP, o erro vai acontecer. E sim, espaços e linhas vazias são considerados conteúdo HTML.

Geral , , ,

Nuvenus Chovendus: um desafio de SEO

4 de janeiro de 2011

A empresa Mestre SEO lançou um desafio de SEO (Search Engine Optimization) que consiste em colocar na primeira página e na primeira posição do Google seu site com o termo Nuvenus Chovendus.

O Nuvenus Chovendus é um novo aplicativo para iPad capaz de prever, através das nuvens, seus movimentos e suas cores, se irá chover onde você está. O funcionamento é básico, basta apontar o iPad para as nuvens e, usando realidade aumentada, o aplicativo diz a velocidade das nuvens e também a probabilidade de chover nas próximas horas.

Meu amigo Glaucio Cancion está participando desse desafio através do seu blog SEO Park (que agora até mudou de nome para Nuvenus Chovendus), concorrendo aos vários prêmios oferecidos pelo promoção.

No momento que estou escrevendo esse post, o blog dele aparece em 3º lugar nos resultados do Google. Se você quiser ajudá-lo também, coloque um link no seu blog ou site seguindo as instruções desta página.

Eu não sei se o Nuvenus Chovendus é ou será de verdade um aplicativo para iPad produzido pela Mestre SEO. De qualquer forma, todo esse esquema de desafio e promoção no final das contas gera uma publicidade sem a Mestre SEO fazer nenhum esforço. Espertinhos eles, não?

Geral , , ,

Somos um Só: um caso de uso do WordPress como hotsite

22 de dezembro de 2010

O projeto Somos um Só é uma série de documentários, programetes e um hotsite, com o objetivo de contribuir na formação do espírito crítico, possibilitando o entendimento com liberdade, das relações dos homens com o meio ambiente.

Esse projeto foi realizado através de uma parceira entre SESC SP, Fundação Padre Anchieta, SESC TV, TV Cultura, Portal SESC SP e Cultura Novas Mídias, com produção executiva da Digital Produções.

Clique na imagem para ampliá-la

Clique na imagem para ampliá-la

São oito documentários que trazem uma história vivida por todos nós, a partir do mundo cotidiano, investigando as relações dos homens com o meio ambiente.

A obra de ficção resume a visão desse trabalho sobre o futuro do planeta na perspectiva do sócio ambiente.

E o hotsite amplia a cobertura e o acesso ao conteúdo, com muitos vídeos, fotos e textos. É aí que eu entro, juntamente com o WordPress.

A escolha do WordPress

A decisão de utilizar o WordPress como Sistema de Gerenciamento de Conteúdo (do inglês Content Management Systems - CMS) se baseou nos pontos a seguir:

  • Disponibilizar o hotsite para acesso público em um tempo muito curto;
  • Facilidade de publicação de conteúdo;
  • Alto grau de customização de layout da plataforma;
  • Custo reduzido de implantação em comparação a um sistema customizado novo.

A maneira de se publicar conteúdo em um blog é relativamente simples, o que ajuda os jornalistas responsáveis pelo conteúdo do Somos um Só.

Hospedagem e configuração

Como serviço de hospedagem utilizamos o plano mais simples de Linux da Locaweb, instalando o WordPress pelo próprio instalador de aplicativos fornecido pela hospedagem de sites.

Depois de configurado, atualizei o WordPress para a versão mais recente.

Customização de layout

O maior desafio foi a customização do layout. O ponto de partida foi utilizar como base um tema do WordPress já existente, que se assemelhasse à estrutura de conteúdo que o hotsite deveria ter.

O tema escolhido foi o Arthemia de Michael Hutagalung, que possui uma área de destaques de posts, com criação automática de miniaturas de imagens.

A partir daí o tema foi totalmente modificado, se adequando ao layout proposto pela equipe de design da Digital Produções. Claro que tive modificar não só HTML e CSS, mas também bastante código PHP e outras coisas em JavaScript.

Por exemplo, o site é dividido em oito temas que compõem seu menu principal. Esses temas na verdade são categorias e possuem uma exibição especial com fotos na listagem de seus posts.

Mas isso não foi complicado, até porquê a plataforma do WordPress disponibiliza uma série de funções para obter e manipuladar dados de categorias, páginas, posts, etc.

Plugins do WordPress

A utilização de vários plugins do WordPress foi fundamental. Para os destaques rotativos que aparecem na home, usei o Smooth Slider, que dentre os vários plugins sliders que pesquisei, era um dos mais simples e chegava mais perto do que precisávamos.

Mesmo assim precisei modificar seu próprio código fonte, pois eu precisava colocar uma imagem de logo transparente no canto inferior direito das imagens de destaques rotativos.

Abaixo está a relação de plugins do WordPress utilizados no hotsite Somos um Só:

Entrega rápida

Depois que o WordPress foi instalado e configurado, os responsáveis pela publicação de conteúdo já iniciaram a inclusão de textos, fotos e vídeos.  Em paralelo a isso fui implementando o layout e outras customizações, atualizando diariamente no servidor as novas funcionalidades.

O site foi montado em menos de 10 dias, sendo que a maioria desses dias eu trabalhei por volta de duas a três horas durante a noite.

O que você achou?

E você, já pensou em utilizar uma plataforma de blog como hotsite?

Já teve algum experiência semelhante ou conhece algum outro caso?

Qual a sua opinião a respeito?

Geral , , , , , , , , , ,

[Off Topic] Minha nova tatuagem não é do Michael Jordan

30 de outubro de 2010

Mês passado aproveite as férias para fazer mais duas tatuagens nos braços. A do braço esquerdo foi a silhueta de “alguém” dando uma enterrada de mão direita com as pernas abertas. Veja a foto:

A maioria das pessoas que vêem minha nova tatuagem estão dizendo:

Legal, uma tatuagem do Michael Jordan.

Então para esclarecer, minha nova tatuagem não é o logo Jumpman, que representa a marca Air Jordan, criada pela Nike para promover os tênis e outros artigos esportivos usados por Michael Jordan, o maior jogador de basquete de todos os tempos. Veja a diferença abaixo:

A silhueta foi extraída de uma foto minha tirada no ano de 2005, na quadra da “Escola Municipal Deputado Flores da Cunha”, na Zona Leste de São Paulo, onde rolava um basquetebol de primeira e que eu joguei por bastante tempo.

O que eu posso afirmar é que essa enterrada foi inspirada no Michael Jordan.

Esportes, Geral , , , , , , , ,

[Off Topic] Novos tipos de ética

4 de agosto de 2010

Hoje em dia, “surgiram” novos tipos de ética:

Ética do que os olhos não vêem

Se eu estou passeando com meu cachorro e ele faz cocô na calçada em frente ao portão do meu vizinho, tudo bem. Eu vou embora e deixo o cocô lá, ninguém viu mesmo. Mas se isso acontecer quando meu vizinho está no portão, vendo a cena, é claro que eu vou pegar o cocô na hora. E provavelmente vou pedir para ele me emprestar algum papel ou saco plástico, afinal eu não ando com isso no bolso quando passeio com meu cachorro.

Ética do todo mundo também faz

Estou no meu carro, dirigindo em uma estrada cheia, chegando ao ponto de ficar parado em vários momentos. Se eu for pelo acostamento, irei andar mais rápido. Mas andar pelo acostamento é proibibo, então não vou por lá, continuo aqui parado. Mas espere, um carro passou pelo acostamento, e bem rápido. Outros carros estão andando no acostamento agora. Ah, também vou por lá, assim irei chegar mais rápido em casa. É proibido por lei, mas todo mundo está indo mesmo, então não tem problema.

Ética do não é meu mesmo

Eu trabalho todos os dias usando um computador na minha empresa. É um computador muito bom, deve ter custado bem caro. Em casa eu tenho um semelhante, também paguei caro. Por isso, tenho o maior cuidado com ele, sempre o deixo limpo, organizado e não instalo programas que podem prejudicar seu bom funcionamento. Já o computador da minha empresa eu não preciso ter o mesmo cuidado, posso instalar qualquer programa, comer em cima do teclado, deixar os fios todos zoneados. Eu não preciso me preocupar com isso, afinal, não é meu mesmo.


Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade. A ética serve para que haja um equilíbrio e bom funcionamento social, possibilitando que ninguém saia prejudicado.

Definição retirada de http://www.suapesquisa.com/o_que_e/etica_conceito.htm


.

Falando sério agora, às vezes eu sinto que alguns valores que as pessoas prezam atualmente estão distorcidos, onde honesto é sinônimo de otário e o respeito é deixado em segundo plano.

Geral

Acrônimos que estão na sua cabeça

17 de abril de 2010

Você já parou para pensar a quantidade de acrônimos que existe dentro da cabeça de um desenvolvedor ou profissional de tecnologia?

Esses aqui são alguns que me vieram na mente agora:

  • AD - Active Directory
  • API - Application Programming Interface
  • ASP - Active Server Pages
  • AV - Audio/Video
  • AVI - Audio Video Interleave
  • BDD - Behavior Driven Development
  • BLL - Business Logic Layer
  • BO - Business Object
  • CD - Compact Disc
  • CLR - Common Language Runtime
  • CPU - Central Processing Unit
  • CSS - Cascading Style Sheets
  • CSV - Comma Separated Values
  • DAL - Data Access Layer
  • DAO - Data Access Object
  • DDD - Domain Driven Design
  • DDL - Data Definition Language
  • DHTML - Dynamic HyperText Markup Language
  • DLL - Dynamic Link Library
  • DML - Data Modification Language
  • DNS - Domain Name System
  • DOS - Disk Operating System
  • DTD - Document Type Definition
  • DSN - Data Source Name
  • DTO - Data Transfer Object
  • DTS - Data Transformation Services
  • DVD - Digital Video Disc
  • DVI - Digital Visual Interface
  • FTP - File Transfer Protocol
  • GB - Gibabyte
  • HD - Hard Disk
  • HDMI - High Definition Multimedia Interface
  • HTML - HyperText Markup Language
  • HTTP - HyperText Transfer Protocol
  • HTTPS - HyperText Transfer Protocol Secure
  • IIS - Internet Information Services
  • IO - Input/Output
  • IP - Internet Protocol
  • IRB - Interactive Ruby Shell
  • ISO - International Organization for Standardization
  • JDBC - Java Database Connectivity
  • JIT - Just In Time
  • JSON - JavaScript Object Notation
  • JVM - Java Virtual Machine
  • KB - Kilobyte
  • LCD - Liquid Crystal Display
  • MB - Megabyte
  • MSIL - Microsoft Intermediate Language
  • MVC - Model View Controller
  • MVP - Model View Presentation
  • ODBC - Open Database Connectivity
  • OOP - Object Oriented Programming
  • OS - Operating System
  • PDF - Portable Document Format
  • PHP - Personal Home Page
  • PL/SQL - Procedural Language/Structured Query Language
  • POCO - Plain Old C# Object
  • POJO - Plain Old Java Object
  • SOAP - Simple Object Access Protocol
  • SQL - Structured Query Language
  • SSL - Secure Sockets Layer
  • T-SQL - Transact-Structured Query Language
  • TCP - Transmission Control Protocol
  • TDD - Test Driven Development
  • UML - Unified Modeling Language
  • URI - Uniform Resource Identifier
  • URL - Uniform Resource Locator
  • UI - User Interface
  • USB - Universal Serial Bus
  • VB - Visual Basic
  • VGA - Video Graphics Array
  • WCF - Windows Comunication Foundation
  • WF - Windows Workflow Foundation
  • WMA - Windows Media Audio
  • WMV - Windows Media Video
  • WPF - Windows Presentation Foundation
  • WWW - World Wide Web
  • XHTML - Extensible HyperText Markup Language
  • XML - Extensible Markup Language
  • XSD - XML Schema Definition
  • XSL - Extensible Stylesheet Language
  • YAML - YAML Ain’t Markup Language

E você, quais mais acrônimos estão na sua cabeça?

Geral

Feliz ano novo!

1 de janeiro de 2010

Desejo um novo ano com menos incertezas, decepções, cigarros, bebidas, gula, avareza, inveja, ira, soberba, luxúria e preguiça.

Mas com amor, paz, superação, felicidade, confiança, boa música, esportes, objetivos alcançados, aprendizado, reconhecimento, energia e a sabedoria de Deus.

Feliz ano novo!

Geral

Sanguessugas de blogs

30 de setembro de 2009

Quantas vezes você teve alguma dúvida enquanto estava programando, configurando um sistema operacional, instalando algum software ou qualquer outro trabalho técnico e tentou encontrar uma solução buscando na Internet?

Há muitos programadores que para qualquer dúvida, independente de complexidade, já partem para uma busca no Google.

Grande parte dos resultados encontrados sobre dúvidas técnicas são providos por blogs e fóruns. No caso dos blogs, essa informação é compartilhada por pessoas que já passaram por igual ou semelhante problema e decidiram disponibilizar na Internet a solução encontrada.

Toda essa informação está disponível sem custo, 24 horas por dia, para todos que quiserem e precisarem, basta uma ferramenta de busca e palavras chaves coerentes com o que se procura.

Nós então, diante de um problema insolucionável (ou às vezes nem tanto), buscamos soluções, encontramos as soluções, aplicamos as soluções, solucionamos nossos problemas, fechamos nosso navegador e continuamos nosso trabalho.

Mas e quanto a quem compartilhou a solução para o seu problema? Bem, eles continuam publicando outras soluções, dicas, artigos, opiniões e idéias. E nós continuamos a consumir todas essas informações, afinal elas estão lá para serem consultadas e utilizadas.

Que tal se nós, após encontrarmos a solução para o nosso problema, darmos um feedback para quem nos proveu ajuda espontaneamente? Nós não precisamos sair clicando nos anúncios dos blogs ou fazermos doações para seus autores, mas no mínimo podemos ser gentis e fazermos um comentário no post com a simples frase: “Obrigado”.

É claro, se pudermos fazer um comentário maior, dizendo como aquele post nos ajudou, ou como nós encontramos outro tipo de solução para um determinado problema ou mesmo discordando totalmente sobre o que foi escrito ou qualquer outra coisa que sentirmos de escrever, melhor ainda.

Uma das coisas que os escritores de blogs desejam é o feedback de seus leitores, seja ele positivo, sugestivo, crítico ou negativo. Saber que aquele post, aquela informação, ajudou alguém, é uma grande satisfação para quem escreve.

Agora me diz uma coisa: e quanto às soluções dos problemas que você mesmo resolve? O que faz com elas? Guarda num baú a sete chaves? Que tal compartilhar essa informação para quem passar pelo mesmo problema?

Aí, você pode dizer:

Ah, mas meu problema foi muito simples.

Não importa, se você teve esse problema, outra pessoa também tem ou pode ter.

.

Ah, mas isso é algo muito básico, coisa de iniciante.

Não importa, existem muitos iniciantes que assim como você precisam ou precisaram de ajuda para deixar de serem iniciantes.

.

Ah, mas eu não sei escrever.

Peça ajuda para quem você considera que sabe escrever, escreva em equipe, escreva em fóruns, leia mais. Tente, não custa nada.

.

Ah, mas eu não sei por onde começar.

Existem um monte de ferramentas de blog gratuitas que você pode experimentar. Se você precisar de ajuda, busque na Internet (sugestão recursiva).

.

Ah, mas eu ainda estou aprendendo.

Aqui vou usar uma frase que ouvi na palestra do Fábio Berbert de Paula, fundador do Viva o Linux, realizada no fisl10: “A melhor maneira de aprender é ensinar.”

.

Ah, mas eu não quero.

Tudo bem, continue sugando.

.
O recado que fica é:

  • Continue buscando toda a informação que você precisa;
  • Seja agradecido com quem lhe ajuda;
  • De vez em quando (ou sempre), também contribua para ajudar outras pessoas.

Geral , ,